sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Livre da prisão, preso ao sonho

FORMAÇÃO


Rafael, o único que já cumpriu sua pena, não abandonou o barco
por Edson Borges Vicente e Fernanda Bastos

Rafael Pereira Toledo, 23 anos, é caçula do grupo e, no momento, é o único que se encontra em liberdade. Embora a pena de dois anos a que foi condenado tenha se acabado há seis meses, ele não abandonou o grupo. “Já cumpri minha pena, mas ainda participo das apresentações”, diz.

O mascote, que encarnou o Espoleta, é um exemplo dentro e fora da peça, ajudando os amigos que em curto, médio ou longo prazo estarão também livres e mais do que nunca precisarão de apoio para se reintegrar à sociedade. “Faço isso porque realmente acredito que o teatro pode mudar as pessoas”, explica.

A crença de Rafael Toledo pelo teatro pode ser demonstrada no fato de que, mesmo sozinho na rua, está sempre ensaiando o espetáculo. “Eles me enviam cópia da peça, a minha parte destacada, eu bato texto sozinho, e eu encontro com eles no dia do espetáculo.” Não foi à toa que se despencou de Angra dos Reis só para participar da apresentação na Monteiro Lobato. “Vim correndo pra cá, fui o último a chegar e até me atrasei”.

Rafael, mesmo sendo o mais novo no grupo, é o ator experiente do Criadaki. “Fiz teatro quando pequeno e cheguei a fazer figuração na Rede Globo”. Apesar disso, o calor da plateia o deixou emocionado. “Hoje a apresentação foi muito importante, tanto pra mim e mais ainda pra eles. Mudou muito a cabeça deles”.

E o exemplo que Rafael segue tem nome. Além das figuras de Jonas, Evaldo, Wellington, Adriano e Maxwell, um outro personagem nessa história também mostra o êxito caminho trilhado. “Eu não sou o único do grupo que é ex-presidiário, temos um amigo o carioca, ele está em liberdade há seis anos, e tem uma ONG lá no centro da cidade que procura sempre ajudar a todos”, afirma Rafael.


Interatividade:
Conte para nós um dia em que você teve que andar horas para participar de um compromisso com os amigos.

2 comentários:

  1. Muito legAAL a história...
    Mas fiquei sem saber porque ele foi condenado '.'

    Poderia ter focado também um pouco de como era a vida dele antes e depois da condenação...
    Mas eu gostei.. (Y)

    ResponderExcluir
  2. O passado não é o Espetáculo neste caso. O que importa é percebermos que, mesmo em momentos extremamente díficeis, onde a imensa maioria se desespera e perde o sentido da vida, esses "garotos" acreditaram que podiam voltar atrás e, através da fé em DEUS e da ARTE, realizaram o sonho de muitas famílias. Ver seus apenados filhos, esposos, pais ou amigos recuperados e cheios de vida. Mas, só para matar um pouco da sua curiosidade, ele recebeu uma das penas mais leves: 2 anos. Era apenas um jovem que cometeu um erro em um momento de sua vida em que não teve estrutura emocional para pensar antes. Hoje ele não é apenas um jovem que pagou por seu erro (pois ele pagou pelo que fez assim como os outros estão cumprindo os seus deveres), ele foi além e é um exemplo de vida que serve para muitos que estão por ai "soltinhos" mas sem proucurar fazer o bem pra ninguem, nem para divertir, pelo contrário. São artistas, humanos e ao mesmo tempo personagens. São um livro vivo e espero que continuem esse capitulo e que outros muitos possam também buscar estrategias de mudança de vida. Alguem um dia vai contar essa historia e ela será natural, como se isso pudesse ser visto todos os dias por ai, mas por enquanto não é, é realmente um Espetaculo dificil de se ver. Quem viu e ouviu foi privilegiado.
    Grande abraço Robson, valeu pelo comentario

    ResponderExcluir