sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Uma kombi que resiste ao tempo

II IGUACINE

Exibido na sessão de homenagens do II Iguacine, 'Marcelo Zona Sul' continua encantando plateias 40 anos depois de sua estreia
por Larissa Leotério

O homenageado da última noite do Iguacine foi Xavier de Oliveira, diretor dos longas “Marcelo Zona Sul” (1970), “André, a cara e a coragem” (1971), “O vampiro de Copacabana” (1976) e “Gargalhada final” (1978). O diretor e roteirista, de 71 anos, conta um pouco sobre o início de sua carreira, além de comentar a atualidade de seus filmes.

“Marcelo Zona Sul” foi filmado em 1969, portanto, quarenta anos atrás, mas para efeito de estatística, considera-se sempre a época de lançamento, 1970. Foi o primeiro longa-metragem de Xavier de Oliveira. “Participei do primeiro concurso de cinema amador do Rio de Janeiro”, conta, revelando o percurso que todo mundo faz. Nesse festival, ganhou o primeiro prêmio por um documentário chamado “Escravos de Jó”, com crianças de favelas, tema de cunho social. Em função deste prêmio, ganhou financiamento para fazer outro curta, sobre arquitetura. Participou de equipes como assistente de direção e “continuista”.

Até que, em 1969, Xavier conseguiu reunir um pequeno recurso para iniciar o filme “Marcelo Zona Sul”, um filme de custo muito baixo que tinha “uma equipe que cabia dentro de uma Kombi”. Uma outra Kombi carregava todos os equipamentos. Foi um filme que foi cuidadosamente planejado para que tivesse um custo bastante reduzido, mas que fosse, ao mesmo tempo, um filme de bastante comunicação popular. “Minha intenção não era fazer um filme miúra, como se chama, em termos de renda. Eu queria fazer um filme de repercussão, de comunicação e de reflexão”, diz ele.

A reflexão a que Xavier se refere é sobre a classe média, e o conflito entre adultos e o mundo jovem. A ideia era mostrar o mundo sob a ótica do Marcelo, personagem irreverente e transgressor, mas que tem uma reflexão interessante na medida em que ele analisa, por exemplo, os pais e as pessoas de forma até caricatural. Além de tudo, mostra que, ao final da vida, o personagem transgressor vai virar um burocrata, como o pai. É lamentável, mas é o que acontece.

Se Xavier fosse fazer a continuação de Marcelo Zona Sul, provavelmente mostraria o ingresso do personagem no mercado de trabalho. “Ele teria que por terno e gravata, bater ponto e tudo o mais. A vida é muito dura”, diz o diretor. O desejo do diretor era que o filme pudesse ser um dispositivo de reflexão, de baixo custo e com penetração popular. “Queria que as pessoas assistissem e fizesse uma análise da própria vida”, revela.

“Marcelo Zona Sul” ainda é bastante atual. “O cinema tem uma coisa muito ingrata. Às vezes, um filme envelhece”, diz Xavier. Até um filme muito bom, após trinta anos, pode nos dar a impressão de que “caducou” e, em certos momentos, a gente acha que o filme perde até vitalidade. “Posso dizer até, sem nenhuma modéstia, que o filme “Marcelo” continua de pé”, afirma.

Essa afirmação do diretor foi tema de uma pergunta de um crítico de Minas Gerais. “Por que o filme ‘Marcelo Zona Sul’ continua de pé?”. Xavier também não sabe responder. Ele acredita que pode ser pela verdade humana contida no filme, uma verdade que passa de uma geração para a outra. “Talvez seja isso”. E, de fato, não é simples dizer por que um filme envelhece e outro não, nem por que um filme tem tamanha projeção em sua época e, após anos, ele se torna um filme enfraquecido.

Interatividade:
Enumere aqui os filmes antigos que na sua opinião não envelheceram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário