sexta-feira, 28 de agosto de 2009

O instinto de parir

OLHA O II IGUACINE AÍ GENTE

Parteiras de Pankararu mostra que parto natural é mais comum que imaginamos
por Carine Caitano

Realizada no Espaço Cultural Sylvio Monteiro, a sessão especial para as mães voluntárias do Bairro-Escola lota o teatro e fala de um assunto tocante às mulheres: o parto.

Quem deu início ao processo foi Heloisa Lessa, que iniciou o trabalho há três anos, no Nordeste do país. Enfermeira obstétrica, ela conversou e instruiu parteiras tradicionais sobre termos e precauções durante a gravidez. Em uma comunidade próxima ao centro, mulheres aposentadas realizam, ainda hoje, o parto natural na casa da gestante.

Engana-se quem considera a ideia antiquada. O documentário média-metragem prova que esses casos são ainda muito frequentes e mais, devem ser incentivados. Os números comprovam. Hoje, no Brasil, são aproximadamente 60 mil parteiras, número infinitamente superior aos 18 mil médicos obstretas registrados. Junto com a notícia, uma estatística preocupante. Cinco por cento das mulheres que optam pela cesária, morrem durante a cirurgia.

Durante o processo, constataram que só havia necessidade de nomear as fases passadas pela mulher. Os problemas são facilmente identificados e solucionados pelas parteiras tradicionais. Com cerca de 30 mulheres por oficina, percebemos, em vídeo, uma naturalidade inata da mulher ao falar dos nascimentos. Situações e dialetos que levaram a platéia aos risos e surpresa, durante vários momentos de sua exibição.

A ideia é defendida não só com unhas e dentes, mas também com experiências reais das propagadoras do parto natural e as parteiras que veem sua função como vocação. "Mulheres Pankararu" traz relatos dessas mulheres sobre a naturalidade do parir, verbo pouco usado pelos médicos. "Parir é muito parecido como, por exemplo, ter sua primeira relação sexual", prega Heloisa, que defende o parto natural pelo que ele é: natural. "Parir é tão natural quanto fazer o bebê. Parir é instintivo".

A diretora do média-metragem é Maria Borba. Convidada por Heloisa para documentar as aulas, não esperava tamanha surpresa com a relação parteiras-gestantes-comunidade. "Eu tive uma surpresa real. É natural mesmo. É espontâneo. E o bonito é ver como elas (parteiras) falam, o carinho de passar a mão na barriga, por exemplo. O que quis transmitir foi o quão pode ser normal e maravilhoso parir", fala Maria, sobre o processo de filmagem e edição.

Como milhões de mulheres de sua geração, a diretora percebia a cesária como o melhor meio de ter um filho, combinando a higiene e o cuidado necessário. Heloisa derruba essa ideia, apontando, inclusive, que o risco de infecções é mais frequente no hospital que em casa. A fala logo remete a um momento do documentário. Uma das personagens do filme diz nunca ter usado luvas ou cuidados especiais, frequentes nos hospitais. Segundo a médica, o objetivo não é minimizar a higiene. O pré-natal é necessário e aconselhado, assim como todos as cautelas mas, como frizado, o ato de parir pode e deve ser o mais natural possível.

Marylu M. também participou do debate. Também parteira, acrescentou muito falando de suas experiências no estado do Pará. "Fiquei impressionada com a linguagem. Elas (parteiras e gestantes) lidam com problemas com as manobras necessárias, nas mais diversas situações. Essa é uma luta mundial, resgatar o parto normal", diz Marylu, que ja fez uma cesária. "Hoje em dia, temos filhos nos hospitais, sendo internadas pela primeira vez e não se sentindo à vontade. Nas famílias das parteiras, aquilo é uma realidade, as crianças veem todo esse ritual".

Esse ritual fica nítido no documentário. Apesar de não ser o foco, é impossível não notar a religiosidade que permeia as relações. As parteiras de Pankararu encaram o que fazem como missão e criam vínculos com a criança, ajudando no seu crescimento.

Por fazer parte da Mostra Encontros, caracterizada pelo debate após a exibição do filme, a conversa conseguiu interferir nas ideias já consolidadas no público. Mônica Costa, auxiliar administrativa, participou do evento. Ela, que ainda não tem filhos, garante que sua visão de parto normal foi totalmente reformulada: "É uma loucura deixar os mitos que eu tinha caírem. Vagina larga, recuperação longa, são, quase sempre, imposições de médicos e sociedade. Já privaram as mulheres de prazer sexual, sucesso profissional... não podemos propagar essa privação na hora de trazermos nosso filho ao mundo".

Foi Bruno Costa, já integrante da cena cineátográfica em Nova Iguaçu, que convenceu a irmã, Monica, a participar do evento. Como homem e futuro pai, se sentiu atraido por um tema tão incomum ao ser abordado. "Fiquei muito surpreso com o documentário, pois via o parto normal como uma tradição pouco praticada. Igualmente supreso quando Helena declarou que o parto não precisa do pai da criança presente. Mas isso demostra o quão íntimo é o parto. Não precisa de platéia", afirma Bruno.

No fim, um documentário filmado no Nordeste do país se revela como um grande passo na caminhada constante de afimação do gênero feminino. Pregar sim, o parto normal. Não como uma obrigatoriedade, mas como uma busca as raízes e humanização desse momento tão especial.


Interatividade:
Como foi que você nasceu?

Um comentário:

  1. Nasci d parto normal, mas minha mãe diz que escorreguei, foi muito rápido! E tive o imenso privilégio de ter um parto normal da minha terceira filha!

    ResponderExcluir