sábado, 29 de agosto de 2009

Teimosia para recuperar autoestima do brasileiro

HOJE NO II IGUACINE

Público do Iguacine acredita que "Lula, filho do Brasil" vai fazer mais sucesso que "Dois filhos de Francisco"
por Jefferson Loyola

Ao entrar no Espaço Cultural Sylvio Monteiro não teve ninguém que deixasse de comentar a presença de Carlos Barreto e Lucy Barreto, que foram prestigiar a apresentação dos 10 minutos inéditos do filme de seu filho, Fábio Barreto. “Lula, filho do Brasil” emocionou a plateia. Muita gente saiu do teatro prevendo um sucesso do porte de “Os dois filhos de Francisco”, um dos maiores sucessos da história do cinema brasileiro.

Olhos na tela, sala cheia e muita gente prestando atenção nas cenas exibidas, selecionadas com precisão cirúrgica. O acidente de trabalho que sofreu e da morte de sua mãe não apenas chocaram o público, como mostraram uma pessoa comum que lutou pelos seus ideais e conseguiu alcançar todos.

Esse Lula mais humano do que politico deixou pelo parte da plateia desconfiada, achando que havia interesses políticos principalmente por causa da sua estreia em 2010, um ano eleitoral. “Acho que o filme irá mostrar o sofrimento da vida dele apenas para que as pessoas fiquem com “pena” e resolvam acabar com a ideia de somente dois mandatos para presidência da República e ele consiga o terceiro mandato”, disse Edson Ramalho.

Lucy Barreto contou um pouco sobre a história desse filme, que será lançado em rede nacional no dia 1 de janeiro de 2010. “Tudo começa a partir do seu nascimento e vai até a sua entrada como presidente do sindicato dos trabalhadores e finaliza com a morte de sua mãe”, revelou a produtora, para quem Dona Linu era uma mulher guerreira e incentivou o filho até o fim.

Lucy Barreto lembrou as dificuldades enfrentadas no início dos anos 70, quando Lula, depois de um longo período desempregado, chegou a carregar frutas e legumes na feira. Lula só não desistiu por causa de um conselho de Dona Linu, vivida pela atriz Gloria Pires. “Já tivemos em momentos muito piores, meu filho. Teime, é só teimar!” Teimar, que significa insistir, é uma das muitas expressões nordestinas usadas pela mãe do atual presidente da República. Outro nordestinismo de Dona Linu é “rapadura é doce mais é dura”.

O convite foi feito pelo prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, e pelo crítico de cinema do jornal O Globo, Rodrigo Fonseca, curador da mostra de longas-metragens. “Achamos a oportunidade bem proveitosa e resolvemos aceitar”, disse a produtora, que acredita que o filme recuperará a autoestima do brasileiro.

Interatividade:
E você? Quando irá visitar o Sylvio Monteiro e participar do Iguacine 2009?

Nenhum comentário:

Postar um comentário