sexta-feira, 28 de agosto de 2009

O Velho Ambicioso

OLHA O II IGUACINE AÍ, GENTE

Contos de Câmara Cascudo viram filme nas mãos de crianças das Escolas Livres de Nova Iguaçu
por Dariana Nogueira

Se no quesito novidades e personalidades, a abertura do II Iguacine foi impecável, no quesito filmes (que é o que realmente interessa num festival de cinema) Nova Iguaçu mostra que dá pra melhorar o que já está bom. Os quatro filmes que abriram o festival, exibidos gratuitamente na sala da Escola Livre de Cinema, em Miguel Couto, despertaram muito interesse e entusiasmo na plateia, composta por boa parte dos alunos da escola, que ainda não tinham visto o resultado final de seu trabalho.

Os quatro curtas de animação foram inspirados nos contos do historiador e antropólogo Câmara Cascudo, e incrementados com variados ritmos na trilha sonora: jazz, samba, rock e funk. Anderson Barnabé, coordenador da ELC, contou como foi o processo de edição e montagem dos filmes: “O processo de produção durou cerca de três meses, com trabalho intenso, tanto aqui na Escola de Cinema, quanto na Escola Livre de Música Eletrônica, da qual eu também sou o diretor”.

Dessa forma, a produção ficou dividida em duas partes: o áudio ficou por conta da Escola Livre de Música Eletrônica, que funciona no bairro Cerâmica, e as imagens foram fruto do trabalho dos alunos da Escola Livre de Cinema. Barnabé afirma que, mesmo sendo trabalhos paralelos, a equipe de professores se empenhou em manter a sincronia dos trabalhos: “Nós tentávamos casar as duas produções, enquanto aqui se produzia as imagens sobre um determinado conto, na escola de música nós tentávamos produzir o áudio desse mesmo conto”, explica.

Os alunos tiveram participação ativa em todo o processo, o amadurecimento das ideias, a confecção dos cenários, a participação enquanto personagens, enfim, em toda a produção, que além de estar voltada para a criação dos filmes, também é direcionada para o acompanhamento intelectual dos alunos, que se interessaram de forma bastante satisfatória pelos contos e ritmos selecionados para o filme.

Gustavo de 12 anos, aluno da escola Livre de Cinema desde os 10 ficou animado não só com o filme, mas também com a presença de Cacá Diegues na escola, criando muita expectativa em torno da obra do cineasta: “Os professores tinham comentado com a gente que o Cacá é muito importante para o cinema, por isso que a biblioteca ia ganhar o nome dele e ele viria aqui na inauguração. Agora que aconteceu, eles devem falar mais sobre o trabalho dele pra gente, eu fiquei muito curioso”, afirma Gustavo.

Na tão esperada estreia foi possível saborear a felicidade e satisfação estampada nos rostos das crianças, que bradavam de alegria cada vez que um rosto conhecido aparecia na tela. Foi o que demonstrou Gustavo: “É muito legal a gente ver nosso trabalho pronto”, diz. O garoto participou do filme “O velho ambicioso” e afirma satisfeito que irá permanecer aluno da Escola de Cinema “até quando der”.“Aqui eu consigo ver o lado bom de estudar, eu aprendo coisas novas que não conheceria em outro lugar”, confessa com um grande sorriso no rosto, daqueles que só as crianças sabem dar, prometendo fazer um bom uso de tudo que aprende na escola.

Os Filmes mostram que trabalho em grupo funciona e que crianças sabem sim fazer cinema.

Interatividade:
Qual conto ou autor você sugere como/para um novo filme?<

Nenhum comentário:

Postar um comentário