quinta-feira, 6 de agosto de 2009

A primeira vez a gente nunca esquece

JARDIM NOVA ERA

Grupo de Jardim Nova Era vai ao teatro pela primeira vez. E promete voltar sempre
por Jéssica de Oliveira

A última quarta-feira não foi um dia qualquer para um grupo de jovens e adultos que visitaram o SESC Nova Iguaçu. O motivo era que muitos iriam assistir pela primeira vez a um espetáculo teatral. Marias Brasilianas - A Arte do Fio era o nome. Sob a direção de Mabel Botelli e Wilson Belém, a Cia Cirandeira encantou ao público com uma história contada com muita dança, música ao vivo - cuja direção ficou a cargo de Denise Mendonça e Dalmo Mota - e contos verídicos que falavam sobre a vida de mulheres que viviam a tecer.

A ONG Cisane, diretamente do bairro Jardim Nova Era, buscou interligar as artes cênicas ao cotidiano daqueles jovens. Embora muitos já tivessem incorporado em seu cotidiano o cinema, a internet, a dança e a música, o teatro ainda estava fora de seus preferenciais. "A ONG está sempre tentando resgatar esse tipo de arte, mas muitos ainda não puderam estar em contato. Por isso, estamos sempre correndo atrás de oportunidades, para que eles possam conhecer outras culturas, além das que têm em sua volta diariamente", conta Fernando Marandaz, agente que organizou o passeio cultural.

Os motivos do desinteresse pelo teatro são muitos. Uns dizem que é por falta de tempo, outros contam que o dinheiro é o problema e alguns ainda revelam que acham muito chato. A estudante Caroline de Oliveira, 16 anos, que estava indo ao teatro pela primeira vez na sua vida, se enquadra no terceiro caso: " Ficar sentado só ouvindo outras pessoas falarem é insuportável". Entretanto, há quem já tenha percebido o prazer de mergulhar no universo teatral. "Sempre que posso, venho ao teatro. Eu gosto muito e tenho vontade de ser atriz", conta Elen Ramos, de 17 anos, que participa de oficinas de jornalismo na ONG de Nova Era.

Outras pessoas que também nunca tinham assistido a uma peça teatral são o casal Lidiane Pereira, 28 anos, e Juarez Pereira, 42 anos. Lidiane atua como assistente social no Cisane e decidiu aproveitar a oportunidade para ter seu primeiro contato. "Nunca fui ao teatro por vários motivos, mas o maior deles foi a falta de interesse. Na medida em que nós amadurecemos, vamos buscando coisas novas", conta, já que a vontade de conhecer esse ambiente é nova.

Seu marido, Juarez, brinca ao dizer o porquê de nunca ter ido ao teatro: "É porque ela nunca me levou". Na verdade, o segurança nunca assistiu a nenhum espetáculo por puro desinteresse, já que trabalhava na Funarte e recebia, frequentemente, vários ingressos, mas os dava para amigos. "Concordo com a Lidiane. Na medida em que nós vamos amadurecendo é que surge a vontade de conhecer novas culturas", revela.

Começa o espetáculo. Durante 60 minutos, a Cia. Cirandeira dá um verdadeiro show em cima do palco e todos os visitantes ficam surpresos com tanto talento. Prova disso são as palmas ritmadas junto às músicas, são os sorrisos sinceros arrancados e o brilho nos olhos daqueles que aprovaram o programa. Terminada a peça, é certo que todos, inclusive aqueles que não davam nada pelo espetáculo, amaram. "A partir de hoje, o teatro fará parte da minha vida", conclui Lidiane.

Interatividade:
Conte para nós qual foi o último espetáculo a que você assistiu.

3 comentários:

  1. como integrante da cia cirandeira queria agradecer a sua postagem e dizer que ficamos muito felizes com o seu comentário.
    me add no seu blog!
    bjussssss

    ResponderExcluir
  2. Também gostaria de agradecer a postagem. Maravilhosa! quem ainda não conferiu o espetáculo deve ir lá no teatro SESI dar uma espiada! vale a pena! ass. Juliana Bonnet

    ResponderExcluir