quarta-feira, 1 de julho de 2009

A correria de um DJ

CERÂMICA

Aluno da ELME percorre longo caminho em busca de um sonho
por Raphael Teixeira

Acordar cedo, pegar ônibus cheio, tomar outra condução, e só depois de algumas horas chegar ao destino. Esse programa não é o que você mais deseja para o sábado, é? E o que acharia se precisasse fazer isso tudo e ainda usar um dia inteiro do seu fim de semana para fazer duas horas de curso DJ?

Esse é o caso de Leandro Costa dos Santos, mais conhecido como Leandro Dj. Ele mora em Mangaratiba e todos os sábados acorda às oito da manhã para fazer o curso de Dj, que acontece na Escola Livre de Música Eletrônica, na Cerâmica.

Ah, e o curso começa ao meio dia. “Todas essas adversidades de distância, dinheiro e tempo para mim são bobagens. Esse é meu sonho, então corro atrás. O resto não me importa”, explica Leandro, de forma taxativa. Então neste sonho, como em todos os outros, não há espaço para hesitação. “Nem no primeiro momento que soube do curso, pela minha prima, eu ponderei ir ou não até Nova Iguaçu fazer o que sempre quis”, conta.

Leandro relembra que passar no exame de seleção não foi nada fácil. “Tinha 150 pessoas para 30 vagas. No começo fiquei meio espantado com tanta gente. Mas no decorrer da prova fui me acalmando”, entrega, com um sorriso de quem se orgulha de estar entre os que conseguiram passar.

Ele faz o curso há quase cinco meses e nunca falta. O fundador do curso, Anderson barnabé, conta que a presença dele é garantida todos os sábados. ”Nós sabemos que ele não faltará. E tem mais, ele nunca se atrasa”, completa Barnabé.

Porém, todo esse esforço é reconhecido pela Escola. Barnabé explica que pensava em mudar o horário do curso. De meio-dia, passaria para as nove da manhã. Quando Leandro foi informado disse a Barnabé que não continuaria, porque sairia de casa ainda de madrugada. A ideia foi repensada e esquecida. “Ia ser impossível. Ia ter que sair de casa depois do jantar”, brinca o músico.

Mas e todos que ficam em Mangaratiba sem ele. Mãe, amigos, namorada, como se sentem? Leandro conta que desde o começo todos apóiam. “No começo fiquei preocupado, achando que minha namorada não iria gostar. Mas ela me entende e sabe que é um sonho meu. Nunca pede para eu ficar em casa. Isso me ajuda muito”.


Interatividade:
Qual o maior perrengue que você já passou em busca de um sonho?

Nenhum comentário:

Postar um comentário