domingo, 5 de julho de 2009

Bruxa do Orestes

VILA DE CAVA


Oficina de incentivo à leitura transforma alunos, professores e pais em leitores
por Josy Antunes


Todas as terças, quintas e sextas uma galerinha da Escola Municipal Orestes Bernardo Cabral, em Vila de Cava, embarca nos 60 minutos da oficina de incentivo à palavra, ministrada pela Arte-educadora Mônica Paulucio. Esses momentos, tão aguardados pelos alunos do 4º e 5º ano, acontecem na biblioteca da própria escola, que foi reformulada quando Mônica começou a trabalhar no local, há quase dois anos. “Quando eu cheguei, a biblioteca não era assim, não tinha esses desenhos, não tinha nada disso”, lembra ela. “Eu que emperiquitei tudo, porque eu adoro essas coisas, fica mais aconchegante”.

As paredes cobertas de desenhos, prateleiras exibindo 540 livros catalogados e uma grande caixa que guarda uma porção de fantasias, são apenas alguns dos atrativos que a salinha apresenta às crianças. Logo que chegam, elas sentam-se no chão formando um grande círculo. Mesmo se a turma for grande, dá-se um jeitinho. O importante é que todos fortaleçam a roda e que o centro fique vazio. A prática, que já se tornou hábito, ajuda a transmitir um importante valor: a igualdade. “Assim eu tô trabalhando com eles que nós somos diferentes sim, mas que todos nós temos os mesmos direitos e deveres”.

Mônica Paulucino - Bruxa do Orestes




Os alunos do 4º e 5º ano são privilegiados com as oficinas na biblioteca e os empréstimos de livros porque elas não participam das oficinas no SECOM. “Eu empresto no próprio dia da aula”, explica Mônica, mostrando em seguida a carteirinha que cada aluno ou funcionário recebe ao fazer a ficha e os três cadernos com as especificações de data de empréstimo e devolução. Um caderno é exclusivo do 4º ano, outro do 5º e o último dos funcionários da escola. Todos eles são enviados periodicamente para a SEMED, para que seja verificado o andamento do trabalho.

A carteirinha gera um comprometimento do aluno, de que ele precisa cuidar e devolver o livro e que, nesse ato, ele precisa apresentá-la. “Cada aluno tem sua fichinha individual, aí eles sempre perguntam assim: tia, eu já li quantos livros?”, relata a educadora, acrescentando que existem crianças que já leram oito livros, só esse ano, número maior do que o lido por muita gente em todos os 365 dias.

Mostrando o caderno com os dados dos funcionários, Mônica lamenta o pouco envolvimento deles com a biblioteca. Para melhorar a situação, ela realiza uma atividade durante as oficinas que é quase como uma isca lançada para fisgar professores e demais trabalhadores do local para dentro da salinha. A cada semana, um aluno por turma escolhe um livro e sai pela escola para escolher um professor da equipe técnico pedagógica, com o intuito de contar a história para ele. “Depois a criança volta toda feliz, volta outra”, diz Mônica, igualmente feliz. A atividade trabalha tanto a expressão do aluno quanto o envolvimento dos professores com as atividades da biblioteca. Depois do regresso da criança, a vinda do professor prestigiado é garantida. Na maior parte das vezes, o livro que foi lido é pedido em empréstimo, tamanho o gosto pela história contada pelo aluno. “Está funcionando, o objetivo está sendo alcançado”, garante.

Além dos muros da escola
Essa atividade está ultrapassando os muros da escola: ela ganha a casa dos alunos, que resolvem imitar o sucesso com os professores para os pais e familiares. “É um trabalho que dá fruto porque eles gostam”, avalia Mônica. Existem diversos casos como o do pai que contou que, ao invés de contar a história para seu filho dormir, a criança para a leitura e continua a contar de acordo com sua imaginação, mesmo sem conhecê-la. Essa improvisação faz parte de uma outra atividade realizada nas oficinas, quando até mesmo os alunos que ainda não dominam muito bem a leitura, contam histórias baseadas apenas nas ilustrações e na imaginação.

"São trabalhados o corpo da criança, a visão, a audição, dando espaço também para a educação artística, que ainda é uma pendência nas escolas e que a gente, como incentivadora, precisa trabalhar”, afirma Mônica, acentuando o intercâmbio entre o incentivo à leitura e a cultura. Existe o cantinho da fantasia, que é usado pelos alunos para ir dramatizando a história enquanto ela é contada. Há também as atividades com músicas, nas quais as próprias crianças criam a coreografia e trabalham, brincando, o desenvolvimento da expressão corporal, entre outras que educam os pequenos de forma divertida.

“Eu busco no trabalho aqui o prazer pela leitura, o gosto pela palavra”, explica a educadora, que aos 28 anos, há seis anos e meio trabalha com essa metodologia. Mônica também estimula a conservação dos livros. Antes do empréstimo ser efetivado, o cuidado e o zelo são sempre transmitidos no convívio com os alunos. Contudo, acidentes como alguma página soltar ou a página descolar acontecem eventualmente. “Quando acontece, eles mesmos consertam o livro e trazem, passam durex, grampeiam ou colam e chegam mostrando: aqui, tia”, conta Mônica. O “best-seller” do Orestes já está consagrado: “Bruxa Onilda”, que, junto com “O Menino Maluquinho” e “Histórias da Morte”, não param nas prateleiras. “Toda semana eles vêm me perguntar por esses livros”, declara ela.


Interatividade:
Qual livro marcou sua infância?

5 comentários:

  1. É muito gostoso de ler esta página e ver a divulgação do resultado de um trabalho árduo, mas muito gratificante, principalmente quando vemos nos olhos de nossos alunos a vontade ler, participar das atividades e fazer a família ficar mais próxima da escola.
    Parabéns Profª Mônica Paulucio!
    Pode contar sempre comigo.
    Vãnia Vicente

    ResponderExcluir
  2. O resultado é fruto do esforço do trabalho da Monica!
    Em avaliação feita pelas crianças ela é uma unanimidade positiva sempre!
    Parabéns Monica!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Monica seu trabalho é maravilhoso ........Eu sempre acreditei em vc e ver o quanto esse trabalho tem dado frutos positivos com toda a comunidade escolar fico muito felizzzzzzz

    ResponderExcluir
  4. Obrigado a todos os amigos que sempre me apoiam,amei os comentários carinhosos e sei que tds vcs torcem por mim,um beijão para tds vcs!!!

    ResponderExcluir
  5. Todo comentário carinhoso pra vc é muito pouco perto do que vc merece amiga Mônica. Não só pela excelente profissional. Mas também pelo ser-humano maravilhoso que vc é. Bjs!!!

    ResponderExcluir