segunda-feira, 30 de março de 2009

Música de quinta

Estudantes do IERP fazem da festa uma forma de mobilização
por Juliana Portella

Tudo começou na quinta-feira anterior ao carnaval. Os professores do quarto ano do turno da manhã do Instituto de Educação Rangel Pestana haviam faltado e um grupo de cerca de 30 alunos se reuniu ao som de um violão. A única pretensão do grupo era fazer o tempo passar, quando começaram a tocar e cantar canções de gosto duvidoso, como as de Tiririca e dos Mamonas Assassinas.

A ideia pegou e na semana seguinte houve uma edição especial, homenagenado o Dia Internacional da Mulher com músicas como "Florentina" e "Estúpido cupido". Empolgadas com a adesão dos estudantes, as lideranças do grêmio viram no evento uma possibilidade de ampliar o movimento e providenciaram microfone, amplificador e violão elétrico para ampliar o alcance da festa. Outra providência tomada foi a extensão do Música de Quinta para o intervalo dos outros turnos.

A performance de July Hana na terceira edição do Música de Quinta, que cantou "O último romântico", de Lulu Santos, deu um ar de seriedade àquela brincadeira. “Ela arrasou”, conta Aline Ramos, aluna do quarto ano do curso normal e tesoureira do grêmio estudantil. Também foi nesse dia que cantaram pela primeira vez o que está se tornando o hino do Música de Quinta: "Versos simples", de Chimarruts. “Toda vez alguém canta”, garante Aline.

Foi num desses intervalos que a dupla Leonardo Cota e Vitor de Carvalho apresentaram o hino da campanha da chapa Ultrajovem, de autoria desse último. "A música serviu para contagiar a galera", conta Aline Ramos.

Comida
A adesão dos estudantes vem crescendo a cada dia e as lideranças do movimento secundarista viram no evento uma oportunidade para mobilizá-los para as ações sociais. “A participação dos jovens passa a ser de forma prazerosa e construtiva”, arrisca Antônio Carlos, aluno do segundo ano do curso normal. Um dos entusiastas do projeto, Antônio Carlos recorre à música Comida, do grupo Titãs, para explicar a importância do Música de Quinta. “A gente quer comida, diversão e arte”, cantarola.

Para ele, o Música de Quinta é uma oportunidade não apenas para formar novas amizades, mas para que os estudantes respirem de um cotidiano intenso dentro das salas de aula. “Muitas coisas poderão ser conseguidas através da troca de idéias, que nascem através da musica. As aulas passam a ser até mais agradáveis depois dos nossos encontros musicais”, acredita.

O sucesso do evento levou a turma 2 do quarto ano fez uma paródia de um antigo sucesso de Michael Jackson, que será cantada na próxima quinta-feira. "A paródia será usada na campanha de arrecadação de fundos para a nossa formatura", conta Aline Ramos. "Ajude a gente pra formatura, ajude a gente deposite aqui a sua ajuda", cantarola.

2 comentários:

  1. O Rangel é sempre palco de coisas fantásticas e não estou dizendo isso porque estudei 4 anos lá. E essa da musica de quinta foi otima embora o pessoal sempre tenha tido essa mania de levar violão e tocar, nunca foi tão organizado. Eu adorava isso.
    A propósito boa construção, gostei da linguagem e do seu desenvolvimento.

    ResponderExcluir
  2. eu estudo la a 13 anos e lah e mt bommmmmmmmm

    ResponderExcluir