quarta-feira, 4 de março de 2009

Palavra de mulher

Mulheres têm muito mais importância nas igrejas evangélicas do que na católica
por Marcos Paulo

"Mulheres, sujeitai-vos." Desde a Antiguidade a mulher vem se submetendo ao marido, às leis e às religiões. Na época do povo hebreu, as mulheres não eram contadas como população. Também não tinham participação na esfera religiosa.O cristianismo e o judaísmo acataram as leis bíblicas. São poucas as denominações evangélicas que segue essa tradição.

Hoje o cristianismo protestante quebra o peso da tradição e vem abrindo as portas para as mulheres como liderança nas igrejas. A explicação para a diferença de atitude encontra-se na própria origem do protestantismo, que surgiu da vontade de renovar a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR). "Não há homem nem mulher, pois todos sois um só em Cristo Jesus", diz Paulo aos Gálatas, 3-28.

É por causa da interpretação dessa passagem que hoje vemos mulheres em televisões ou rádios ministrando a Palavra para toda a igreja. Uma dessas lideranças femininas é a pastora Maria dos Santos, 48 anos, que pastoreia a Igreja do Evangelho Quadrangular no bairro de Corumbá. "É muito normal vermos mulheres como pastoras principais nas nossas igrejas", diz ela, que é empregada doméstica em Nova Iguaçu.

Maria dos Santos se sente feliz com o fim do preconceito no cristianismo. "Já fui convidada para pregar em várias igrejas de denominações diferentes, sendo o pastor homem ou não", lembra a pastora, que é mãe de dois filhos e avó de uma neta. Para ela, isso é um claro sinal de que a igreja se adaptou a novas realidades, como a evolução do papel da mulher na sociedade.


Papel secundário
Embora discorde, a pastora de Corumbá sabe explicar a razão para que nem todas as denominações reconheçam a importância das mulheres em seus cultos. "Em algumas igrejas protestantes, as mulheres não podem falar ou fazer qualquer coisa, mas isso porque eles pegam um versículo bíblico sem contexto e põem como doutrina."

Esse papel secundário da mulher tem a ver com uma tradição judaica. "Entre os judeus, a mulher era afastada da vida pública", lembra a pastora. Na verdade, a mulher era insignificante não apenas no templo, mas na própria vida social. "Elas eram excluídas da circulação de bens, não podiam herdá-los nem possuí-los.Também eram proibidas de se sentar à mesa com o marido e os filhos."

2 comentários:

  1. Além de mostrar o avanço que as mulheres vem obtendo, o legal da matéria é que ela mostrou as "bases" para as diferenças de opiniões.
    E viva as mulheres! :D

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Matéria muito legal.
    Curiosidade "a pastora da foto é deficiente???" Se for o fato se torna mais importante ainda, pois além das mulheres serem valorizadas na Igr. do Evangelho Quadrangular elas também livres de qualquer outro preconceito."
    Pr. Marcos
    http://prm123.multiply.com

    ResponderExcluir