segunda-feira, 23 de março de 2009

Crítica esperta

por Josy Antunes / foto de Ozias Inocêncio

A estreia de O mundo é dos Espertos, no Sesc, no dia 20, surpreendeu a plateia. Contando a história do personagem Gregório, um caipira recém-chegado a Nova Iguaçu, o espetáculo envolvia o público em suas cenas. Além da quebra da "quarta parede", os personagens escolhiam aleatoriamente pessoas para que subissem ao palco, contracenando com eles, como figurantes.

O protagonista se via em meio a espertalhões, que sempre tentavam passá-lo para trás. Não habituado com a agitação da cidade, Gregório arrancava boas risadas, mostrando-se inocente e contando seus "causos".

Godoi, interpretado por Alexandre Gomes, era o personagem que mais interagia com o público. Paquerava os "bofes", colocando-os em situações cômicas. Marcos Malafaia, que assistia à peça com a namorada, ficou marcado por ter sido citado frequentemente. Sem esperar, ele foi levado para o palco, onde, por trás das cortinas, acontecia uma festa entre os personagens. "Foi muito emocionante!", diz Marcos, passado o susto.

O receio do que se passava nos bastidores e o que deveria ser feito quando as cortinas se abrissem não superavam a expectativa de ser convidado e entrar na brincadeira. O casal Rafael Mota e Regiane Barbosa explica que, ao contrário do que parecia, eles não foram forçados a nenhum improviso. "Instruíram o que fazer e a hora de voltar aos nossos assentos", conta Rafael, que dançou na cena em que uma festa acontecia. "Deu vergonha no começo", lembra ele. Vindos de Queimados, os dois jovens ficaram satisfeitos com a apresentação. "Foi muito divertido", conta Rafael.

No final do espetáculo, uma mensagem ficava no ar, sobre o que é ser esperto de verdade. Os figurantes foram presenteados com um vale-compras de produtos alimentícios Dueto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário