quarta-feira, 17 de junho de 2009

Mães cautelosas

MIGUEL COUTO
Novo período de formação do Mães Educadoras começa por Miguel Couto
por Robert Tavares

O projeto "Mães educadoras", do programa Bairro-Escola, nasce da necessidade de o educador ter um parceiro em sala de aula, e de trazer mães para o ambiente infantil. Essa iniciativa diminui os índices de violência e de evasão escolar, além de criar bons hábitos e ampliar a afetividade dentro da escola. "Essas crianças sentem falta da figura materna, mesmo com a professora por perto", disse Maria Eloine da Costa, coordenadora pedagógica do SEJA (Serviço de Educação de Jovens e Adultos). "No desenvolvimento infantil, é necessário estar junto, dar atenção e estimular a criança", completa a coordenadora.

Maria da Penha, uma das educadoras do projeto "Tecendo o Saber", concorda. Segundo ela, todo crescimento parte do incentivo. "Os pais estão esquecendo a valorização dos filhos e, como as salas estão muito cheias, o professor não consegue dar conta de todos eles sozinho", diz essa moradora de Miguel Couto.

Nos dias 8 e 9 de Junho, a Casa do Menor de Miguel Couto cedeu seu auditório para as reuniões das mães educadoras, coordenadas por Bernadete Rufino, Secretária Adjunta de Educação, e a já citada Maria Eloine da Costa. O encontro teve o intuito de promover atividades que deem maior embasamento para essas mães atuarem nas escolas. A partir do mês de agosto, essas mães estarão diariamente, das 9h30 às 14h, no chamado 'horário intermediário'.

Formando um círculo com dezenove mulheres e um homem, o grupo se preparou para a primeira atividade do dia. Ainda tímidos, cada um teve que se apresentar para os demais e citar uma qualidade sua com a inicial de seu nome. A atividade, cujo objetivo era trabalhar o autoconhecimento, a atenção e o companheirismo, terminou em meio a gargalhadas. "É aqui que vemos se essas pessoas estão aptas a entrar em uma sala de aula", conta Bernadete Rufino. "Não basta querer, tem que estar capacitada. As mães de hoje estão muito cautelosas, elas não entregam seus filhos na mão de qualquer um."

Na segunda dinâmica, as mães falaram sobre famílias saudáveis, mostrando o poder e a força de uma família bem estruturada. Depois que diversas palavras foram espalhadas pelo chão, cada uma pegou a sua e, em seguida, explicou a razão da escolha. Essa dinâmica foi bastante emocionante, levando algumas mães às lágrimas.

Pensadores como Piaget, Vygotsky e Wallon já disseram que a capacidade de aprender se constrói a partir das trocas estabelecidas entre o sujeito e o meio. As crianças não são passivas, meras receptoras das informações que estão à sua volta. Elas precisam interagir. Essas mães têm a missão de qualificar o ensino e a aprendizagem. Elas têm capacidade de conversar com os pais de igual para igual, além de trazê-los para dentro da escola.

Esses encontros de aperfeiçoamento acontecerão todos os meses. Elas também terão uma capacitação específica para cuidar de crianças de 0 a 6 anos. As dinamizadoras seguem o Almanaque da família brasileira fortalecida. Ao longo desse ano, os encontros mensais ocorrerão aos sábados.



Interatividade:
Houve algum dia em que a presença de seus pais na escola teria feito alguma diferença no seu crescimento pessoal?

Nenhum comentário:

Postar um comentário