segunda-feira, 25 de maio de 2009

Conversa de pescador

Cabeleireiro ensina crianças de Jardim Pernambuco a caçar rãs
por Luíza Guimarães

Acompanhando os alunos do período integral da Escola Municipal José Ribeiro Guimarães, no bairro Jardim Pernambuco, descobrimos uma brincadeira muito peculiar durante a oficina de jornal: caçar rãs. Essa tradição vem passando de geração em geração no bairro, que tem muitos terrenos baldios propícios à proliferação das rãs.

Alex Horácio Cavalcante, de 11 anos, mais conhecido como Juca, é um dos alunos do colégio que brincam de caçar rãs. Ele e seus amigos criam armadilhas com redes e latas de alumínio para conseguir pegar as rãs. “Depois que chove, eu e meus amigos sempre vamos para o terreno aqui na frente de casa para caçar as rãs”, diz Juca.

Os meninos de Jardim Pernambuco têm um grande mestre. É o cabeleireiro Celso de Araújo, 44 anos, que passou a infância caçando rãs e pescando muçuns nos brejos do bairro. “Durante a “temporada de rãs”, que vai de agosto a dezembro, sempre que chovia e tinha trovoadas eu acordava bem cedo no dia seguinte”, lembra o cabeleireiro, que já chegou a pegar 200 rãs em apenas um dia.

Às vezes, Araújo levava uma atiradeira para o brejo, mas normalmente pegava suas rãs com as próprias mãos. “Depois eu amarrava com um barbante e vendia”, conta ele, que sempre tinha o cuidado de não pegar as fêmeas. Essas rãs eram vendidas no Centro do Rio de Janeiro, onde chegava com as presas acondicionadas dentro de uma mochila.

O cabeleireiro, que folga nas segundas, continua indo para o brejo. “Basta chover no domingo”, confessa ele, que agora vai caçar acompanhado do filho Pedro Henrique de Araújo, de apenas seis anos. “Até minha esposa já perdeu o nojo de comer”, comemora.

O mestre de Jardim Pernambuco tem uma receita especial para rã. “Corto a cabeça, tiro a pele, lavo e frito no óleo com alho, cebola e um pouco de pimenta do reino”, enumera Araújo, que também gosta de comê-las à milanesa ou desfiadas na farofa.


Interatividade:
Mande para nós sua receita preferida de rã.

Um comentário:

  1. Confesso que teria nojo em caçar rãs. Mas percebi que, para as crianças, foi diversão garantida.

    ResponderExcluir