quarta-feira, 27 de maio de 2009

O guia do Bairro-Escola

Jovens repórteres descobrem Miguel Couto com coordenador das oficinas culturais

por Mariane Dias e Thiago Serrano / fotos de Mariane Dias

Durante uma caminhada com o sub-secretário de Cultura e Turismo, Rômulo Salles, ficou muito simples entender como está o programa Bairro-Escola em Miguel Couto. Miguel Couto é um bairro bem popular de Nova Iguaçu, tem muita gente o tempo inteiro, praticamente um centro dentro do centro da cidade. Andamos cerca de um quilômetro pelas faixas vermelhas pintadas nas calçadas, sinalizando o caminho que leva os estudantes para os parceiros do Bairro-Escola.

Nos parceiros, os mediadores, que são universitários de diversos cursos, promovem oficinas culturais e esportivas nesses espaços que, muitas vezes, são cedidos por pessoas que decidem abrir suas portas para ajudar esse trabalho tão importante. A Igreja Católica do Ambaí, por exemplo, é parceira da Escola Municipal Ana Maria Ramalho. “Mesmo sendo uma instituição religiosa, a igreja faz questão de não interferir nas crenças dos alunos durante as atividades”, explicou o sub-secretário.

Como exemplo, Rômulo Sales fala da Escola Municipal Flor de Lis. Com estava com dificuldade de espaço para realizar as oficinas, seus diretores propuseram uma parceria com a maçonaria que fica logo ao lado da escola. Por isso que as oficinas culturais aplicadas no horário integral não foram prejudicadas. “Mas como é necessária a aprovação dos pais para o aluno participar do horário integral e das oficinas culturais, foi preciso driblar a resistência dos pais de determinada religião deixar os filhos participarem de oficinas ministradas em espaços de religião diferente”, lembrou Rômulo Salles. Mas por incrível que pareça, isso acabou ajudando a minimizar essa resistência. “Hoje, as reuniões pedagógicas acontecem em espaços religiosos, independentemente de o parceiro ser padre, pastor ou mãe de santo.”

Requalificação urbana

Esse processo também faz parte do programa Bairro-Escola, buscando melhorar o trajeto das crianças. As calçadas, por exemplo, precisam estar em perfeito estado e as ruas, sinalizadas. “Mas alguns bares, oficinas e borracheiros estão atraplhando esse trajeto”, lamentou Rômulo Salles. O sub-secretário também citou a academia pública, uma das parcerias do Bairro-Escola. Pela manhã, os idosos tomam conta do lugar, e à noite o público jovem se concentra e pratica exercícios inteiramente de graça.

Por fim, Rômulo mostrou os muros coloridos pelo Graffiti, que é uma arte urbana que transforma os muros da cidade em arte pública. ”Evita pichações”, afirma. “Muitas vezes, o morador não apenas permite ser pintado, como pinta junta com o governo.” Dessa forma o morador se envolve com o programa de qualquer maneira e é observado pelas crianças, que serão as responsáveis por levar essa linguagem para o mundo.


Interatividade:
Qual o lugar de Miguel Couto você mostraria?

2 comentários:

  1. Não conheço muito Miguel Couto. Meu contato com o local se resume a indas e vindas apressadas do curso ou estágio. Mesmo assim, gosto muito da visão da Escola Livre de Cinema. Sem dúvida, mostraria esse lugar que traz princípios de liberdade até no nome.

    ResponderExcluir
  2. Mercado popular! Esse lugar tem muita história, descobri no Recreio nas Férias :)

    ResponderExcluir