segunda-feira, 25 de maio de 2009

Jardim Pernambuco falando para o mundo

Repórteres mirins descobrem as brincadeiras populares de Jardim Pernambuco
por Nany Rabello - fotos Gabriela, 9 anos

Gabriela Oliveira, de 9 anos, Lucas dos Santos Batista, de 8 anos, Vitória Greice, de 6 anos, Iasmin Lins, de 7 anos e muitas outras crianças da Escola Municipal José Ribeiro Guimarães, em Jardim Pernambuco, adoram sua oficina de cultura. Por quê? Porque eles brincam de ser repórter.

Os monitores de cultura, rádio e hip-hop levam as crianças para as ruas do bairro, onde estão entrevistando os moradores em busca das brincadeiras antigas mais populares no bairro. Armadas com gravador, cadernos e câmera fotográfica, as crianças se divertem a oficina.

Lucas, por exemplo, adora fazer as gravações das entrevistas e conta que sempre fica se imaginando como um repórter quando está em casa. “Sempre que acaba um jogo de futebol, eu me imagino lá fazendo as entrevistas com os jogadores”, conta. Assim como as outras crianças, ele diz querer ser jornalista, porém só se não conseguir ser jogador de futebol.

Sua coleguinha Anne, de 8 anos, se sente mais à vontade com a câmera fotográfica, que não solta por nada quando sai para suas coberturas jornalísticas. “Adoro filmar as entrevistas!”, diz, empolgada.

Matérias impressas
Além de muito espertas e receptivas, as crianças do José Ribeiro Guimarães têm a chance de ver seu trabalho concretizado, já que as matérias são impressas em um pequeno jornalzinho. As entrevistas feitas pelos repórteres mirins acabam acrescentando muito em suas vidas.

Por exemplo, o depoimento da dona Sebastiana Maria da Conceição, de 62 anos, que trabalha em uma venda próxima à escola e tem muito prazer em receber as crianças. “Sem escola ninguém é ninguém”, ensina. Embora não tivesse uma lista de brincadeiras para apresentar às crianças, ela admite que brincar é importante e que faz parte do ser criança.

Dona Maria Gonçalves, de 72 anos, também foi entrevistada pelos repórteres mirins. “As crianças antigamente tinham ‘amiguinhos’, mas hoje só sabem brigar ou ficar em frente a jogos eletrônicos.” Com o material colhido nas entrevistas, Marcio debate com as crianças as brincadeiras que serão feitas na próxima oficina.


Interatividade:
Sugira uma forma de conciliar a brincadeira popular com a febre das lans houses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário