quinta-feira, 14 de maio de 2009

Plantando, tudo dá

Oficina de Horta do Mais Educação atraiu Secretaria de Agricultura para Bairro-Escola
por Lucas Lima e Nany Rabello

“O povo da cidade não tem hábito de plantar, eles acham que toda planta é mato”, diz Robério Batista Dutra, 39 anos, mediador da Escola Municipal Venina Correa, da Califórnia. Quebrando esse paradigma, o Bairro Escola, em parceria com o projeto Mais Educação, do Governo Federal, implantou oficinas de horta em algumas escolas.

A aceitação dos alunos foi ótima. Eles estão tão integrando-se à oficina de um modo tal que, quando não há atividade na horta, eles procuram os professores responsáveis pelo projeto perguntando quando vão poder plantar novamente. “Isso acontece porque a escola dá a oportunidade deles fazerem algo prazeroso e que eles gostem”, conta Dutra.

A escola enfrenta, porém, uma grande resistência. São os alunos que arrancam as plantas que ainda estão nascendo, revirando a terra e tirando as sementes. “São aqueles que não participaram da atividade”, afirma a também mediadora Viviane Ribeiro, 25 anos.

Para quebrar essa barreira, foi iniciado um trabalho de conscientização dentro da escola liderado pelas crianças que participaram do processo. Mas elas não se limitaram a dizer que não podiam fazer aquilo. “As crianças começaram a mostrar para as outras a diferença entre o que é mato e o que não é, as plantas que podemos ou não jogar fora, o que são ervas e para que elas servem”, lembra Viviane Ribeiro.

Mais novos
Outro problema da oficina é a baixa adesão entre os alunos do segundo segmento, cujo interesse é diametralmente oposto às crianças do Bairro-Escola. “Os mais novos gostam de colocar a mão na terra, fazem plaquinhas, até tomam conta”, conta a mediadora, que tem esperança de que as turmas do 5º ao 8º ano se empolguem quando virem as primeiras plantas crescerem.

Dois alunos têm sido exemplo para todos. “Na horta, a gente aprende mais sobre as plantas, fica sabendo que tipo de alimento vai pra nossa casa”, empolga-se Gustavo Alen, de 13 anos, que aderiu à oficina porque sempre gostou de comer coisas verdes. Tainá Conceição, também com apenas 13 anos, concorda: “A oficina de horta é muito boa, ensina o fundamental pra gente, e também dá mais ensino e conhecimento sobre as plantas.”

Para ajudar na conscientização das crianças de que temos que comer coisas verdes, os profissionais da escola fazem periodicamente uma “vaquinha” e compram legumes e verduras para a escola, e todos comem, principalmente as crianças. “Quando as crianças puderem comer aquilo que plantaram, a oficina também ajudará a melhorar a alimentação deles”, aposta Viviane.

Os mediadores participaram de uma formação na Secretaria de Agricultura, onde aprenderam a fazer adubos e reaproveitar tudo que pode ser útil na oficina. “O Horário Integral mostra que não podemos trabalhar isolados”, ensina Robério Dutra. “Devemos estar sempre integrados, afinal, esse é o papel do Bairro-Escola.”




Interatividade:
Você acha que quem planta se alimenta melhor?

Um comentário:

  1. Isso é ótimo!
    Atualmente são raras as crianças ou jovens em geral que têm conhecimento sobre plantas ou simplesmente como plantar.
    A maioria dessa geração só plantou o famoso feijão no algodão quando tinha 5 anos e depois disso nunca mais se interessou.
    Esse projeto é bom para nos mostrar como é fácil ter um mundo mais verde. Estamos precisando... E é urgente!

    Ótimo texto!

    ResponderExcluir