quinta-feira, 2 de abril de 2009

Subjetividade on-line

Projeto Conectividade interligará Nova Iguaçu ainda este ano
por Josy Antunes

Parece mágica, mas é pura tecnologia. O projeto Conectividade, uma parceria da Prefeitura de Nova Iguaçu com a PUC, conseguirá a proeza de colocar a cidade em rede por intermédio de computadores quase sucateados. Todos os órgãos públicos serão interligados por um sistema chamado Plural. A expectativa dos organizadores é que ele seja inaugurado ainda no primeiro semestre de 2009.


Apoiado pela FUSJ (Fundação de Apoio à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), o programa alcançará até os locais em que o acesso à internet é precário. “Onde for possível o acesso chegar, do Kilômetro 32 a Tinguá”, garante o Écio Salles, secretário adjunto de Cultura e pesquisador da UFRJ.
O pesquisador acredita que esse seja o primeiro passo para uma conexão irrestrita, como acontece no Piraí Digital, onde uma cidade inteira encontra-se conectada. “Dando certo o planejamento que a gente tem nesse momento, a ampliação do acesso vai ser enorme. E já vai ter uma transformação radical do acesso ao mundo digital em Nova Iguaçu.”

Essas mudanças também afetarão os telecentros, a começar pela quantidade. A rede será ampliada e eles funcionarão em escolas e espaços que existem especialmente para o trabalho, além de outros que ainda serão construídos. Dos 35 existentes, apenas quatro eram ligados à internet. Todas essas expansões se devem à possibilidade de reaproveitamento dos computadores então usados nos telecentros, o que reduzirá o custo com manutenções. “Isso vai aumentar a durabilidade do projeto”, justifica.

Inclusão subjetiva
Ainda dentro desse projeto, a Secretaria de Cultura pretende fazer de cerca de dez telecentros locais onde a discussão do uso desses espaços seja mais visada. Eles serão os chamados Centros de Cultura Digital, onde serão ministrados cursos de web art, web design e poesia eletrônica. “A ideia é buscar a cultura digital, com a linguagem desses veículos”, explica Écio Salles. Esses cursos serão dados por artistas ligadas ao universo digital, que farão uso de computadores mais sofisticados.


Os principais beneficiados com as novidades serão os jovens, que terão a oportunidade de receber uma formação profissional. “Nossa ideia é que os jovens formados, assim como outros projetos da prefeitura, tenham capacidade e possibilidade de inserção no mercado de trabalho ao final do processo”, assegura Écio Salles, secretário adjunto de Cultura e pesquisador da UFRJ.

O grande objetivo das novas propostas é a inclusão subjetiva – termo usado por Marcus Vinícius Faustini, Secretário de Cultura e Turismo de Nova Iguaçu – dos cidadãos iguaçuanos. “É uma forma de você estar na vida e não apenas você procurar um emprego, que é importante e necessário, mas a gente acha que pode qualificar mais”, justifica Écio Salles. A expectativa da Secretaria de Cultura é qualificar profissionais diferenciados dentro de um conhecimento pessoal, profissional e territorial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário