terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Parada obrigatória


Há 70 anos, o Caldo de Cana da estrada de Madureira no Bairro Cabuçu é uma parada obrigatória
por Wanderson Santos

Quando a UPA de Cabuçu foi inaugurada, o outdoor com que o Governo do Estado anunciava a obra, mostra a importância dos caldos de cana situados em seu entorno. “Em frente ao antigo Caldo de Cana do Moisés”, orientava a propaganda espalhada pela Estrada de Madureira. Não é à toa. Uma das maiores tradições de Nova Iguaçu é dar uma parada ali para saborear o caldo de cana, devidamente acompanhado de um bolinho de aipim, um joelho ou da clássica coxinha de galinha, o salgado mais pedido do estabelecimento. Podem-se encontrar ali desde moradores do bairro, a pé ou em carros de passeio, até caminhoneiros que transportam sua carga pela Baixada Fluminense.

"Quando havia peladas no campo ao lado, todo final de semana ficava bem agitado", lembra o atendente Antônio Timóteo, 63 anos. "Hoje só fica lotado aos domingos." Apesar da queda no movimento, o consumo continua grande, principalmente no verão. "A casa compra dez dúzias de cana-de-açúcar a cada quatro dias", contabiliza o mesmo Antônio Timóteo. "Mas quando chega o calor a gente tem que aumentar a encomenda." Mesmo nos dias de semana.

Cheirinho
O cheirinho peculiar do local é um atrativo à parte. Chega a dar água na boca, chamando a atenção e despertando a curiosidade de quem freqüenta, ou passa pelo local. Maria Lúcia, 54 anos, é quem garante o bom paladar dos salgadinhos. É a cozinheira do local. O movimento aos domingos começa muito cedo para ela. "Os carros de passeio começam a chegar por volta das seis horas da manhã", conta a cozinheira, que gosta do aconchegante clima familiar criado pelos clientes. "Muitos costumam trazer filhos e até mesmo netos durante anos e anos."

A fidelidade dos clientes é um fator importante. O pedreiro Joel, 32 anos, mora nas proximidades da Estrada de Madureira e é visto com frequência com os amigos passarinheiros no Caldo de Cana. "Venho com meus amigos sempre que tenho tempo, para jogar conversa fora. Botamos nossos passarinhos na coluna de madeira do telhado, sentamos nas cadeiras e pedimos nossos caldos de cana, ficamos aqui por horas a fio. Aos domingos fica difícil arranjar uma mesa, a concorrência é grande."

Clientes fiéis
Matar o tempo em uma boa conversa também é um forte motivo para uma paradinha em dias de calor. O maior hobby do também pedreiro João Emanuel, 36 anos, é o Caldo de Cana de Cabuçu. "Não há tempo melhor e mais bem gasto do que sentar em uma sombra junto com os amigos e tomar um gostoso caldo de cana, acompanhado por um bolinho de aipim, e bater um papo à vontade. É o meu maior prazer." Sempre que pode, João Emanuel leva o filho Lucas Souza. "O menino só não vem mais por causa da escolinha", lamenta.

O mecânico Ricardo Scoralick, 37 anos, lastima não poder ir diariamente ao Caldo de Cana. "Não dá para vir todos os dias, mas, quando venho, aproveito o máximo." Um dos dias em que com certeza o mecânico é visto saboreando o caldo de cana da Estrada de Madureira é o domingo. "Chego aqui às seis, antes de abrir minha borracharia", conta ele. "É aqui que tomo meu café da manhã." Eventualmente, ele volta para fazer um lanche no caldo de cana.

Mulheres também apreciam beber um caldo e comer um salgadinho. Elizabeth Coelho, uma simpática aposentada de 56 anos, levou o filho Yan, um professor de 28 anos. "Esse lugar é muito legal. Apesar do calor que faz hoje, escolhemos uma sombrinha para poder curtir. Realmente é nota dez." A narrativa do filho não é muito diferente. "Vira e mexe eu apareço por aqui", conta o professor. "A diferença é que hoje passei na casa de minha mãe.Ela quase não sai, e convidei-a para vir comigo." Dona Elizabeth, que pela primeira vez ousou fazer a travessia de sua casa, no Inferninho, até o caldo de cana, adorou o pastel de carne. "Estava realmente muito bom", conta ela, que pretende voltar outras vezes descoberto ao lado da pessoa que mais ama.

Terceira geração
O estudante de fisioterapia Luciano Martins, 22 anos, frequenta o local desde criança. "Meu pai me trazia aqui quando era pequeno, junto com meu avô", lembra ele, que continua achando que não há nada melhor do que a sensação de um salgado e uns belos goles de caldo bem geladinho descendo pela garganta. "Adoro os salgados daqui e às vezes ainda levo uns bolinhos de aipim para casa." Luciano, que pertence à terceira geração de freqüentadores, ainda lembra a primeira vez em que se empanturrou de pastéis no caldo de cana da Estrada de Madureira. "Eu tinha nove anos quando meu pai me trouxe aqui pela primeira vez há muitos anos, com o meu avô." Luciano sempre repete esses programas quando recebe a visita do pai e do avô. "Meu avô tem problemas de saúde e não pode se deslocar com freqüência. Por isso, quando ele vem lá em casa, combinamos os três em vir até aqui. É um ótimo programa".

Nenhum comentário:

Postar um comentário