sexta-feira, 28 de março de 2008

A escola não tá com nada

Tema polêmico aquece debate sobre o futuro das escolas

Por Willian Faria da Costa.

Imagem - Mazé Mixo, editada por Evio Nobre.

Uma palestra bastante polêmica agitou o primeiro dia de atividades autogestionadas realizadas pelo Fórum Mundial de Educação. Sob o tema "A escola não está com nada", jovens que abandonaram a sala de aula puderam falar sobre os motivos que tornam a escola tão distante da realidade de quem a freqüenta. O público dessa mesa, bem diversificado, era formado por pessoas ligadas à educação, à proteção da criança e adolescente e entusiastas da aproximação entre escola e aluno.

O diálogo, conduzido por Marcus Faustini, Secretário de Cultura da cidade, teve a presença de dois jovens que residem em abrigos públicos. Os relatos sinceros e desconsertantes desses jovens alimentaram a curiosidade dos educadores que buscam novos métodos de ensino e atividades complementares que despertem o interesse e evitem a evasão escolar.

Segundo os jovens, a escola se preocupa em formar profissionais e acaba esquecendo do seu papel na formação do cidadão. Com isso, o espaço que deveria ser de experimentação se transforma em celeiro de regras e formalismos para atender às exigências do mercado.

- Os professores não nos entendiam, só se preocupavam em jogar a matéria no quadro e nada mais. O colégio era muito cheio de regras - disse M., um dos jovens que largou os estudos.

Outro problema enfrentado pelos jovens é a falta de atividades externas, culturais e esportivas.

- Como eu já ficava muito preso em casa, na escola queria viver a liberdade e não podia. No colégio, eu gostava de esportes, aulas externas, artes e educação física. O professor de educação física conversava com a gente.

Os professores revelaram que há dificuldade de diálogo entre eles e os pais dos alunos, fator que permitiria a aproximação do professor com a realidade vivida pelo aluno.

O debate foi encerrado com a compreensão de que professores, alunos e pais têm que conviver mais próximos para que a formação da criança seja integral.

Quando perguntado se agora, com o entendimento da importância da formação escolar, gostaria de ser professor, S. mandou "na lata": "só se for de grafite".

Nenhum comentário:

Postar um comentário