terça-feira, 1 de setembro de 2009

Arquitetura do Festival

DOMINGO NO II IGUACINE

"Arquitetura do corpo" é eleito o melhor filme do Iguacine
por Mayara Freire e Raphael Teixeira / foto por Mazé Mixo

O 2º Festival de Cinema de Nova Iguaçu terminou em clima de comemorações e homenagens. No domingo, o melhor entre os 31 filmes escolhidos para concorrer a premiação, foi julgado por três profissionais do audiovisual. O documentarista Emílio Domingo, o produtor de cinema Raul Fernando Chaves e o crítico de cinema Rodrigo Fonseca, elegeram o curta-metragem “Arquitetura do Corpo”, do diretor mineiro Marcos Pimentel, como o melhor filme do Iguacine. A justificativa da decisão, segundo Rodrigo Fonseca, foi pelo criador ter abdicado das ferramentas da palavra, confiando à fotografia e à montagem a tarefa de promover reflexão e gerar poesia a partir do registro do movimento.

O grande vencedor não pode comparecer no evento, mas ganhou quatro latas de negativo 35 mm x 400 pés, da Kodak, e quatro horas de telecine off line ou color granding, da Finishing House Link Digital, além do empréstimo de equipamento e mixagem, do Centro Técnico Audiovisual – CTAV. “Decidimos escolher um prêmio que contribuísse para o vencedor, a fim de mudar sua vida e estimulá-lo a continuar produzindo outros filmes”, explicou Valquíria Ribeiro, coordenadora do Iguacine.
Os jurados ainda surpreenderam os outros concorrentes, dando menções honrosas e troféus aos destaques do festival. Leonardo Remor, com o filme “Sobre um dia qualquer”, foi considerado o diretor revelação do Iguacine. “Impressionante para um trabalho inicial do realizador, que teve um ótimo desempenho na escolha do elenco, direção de arte e fotografia”, elogiou Raul. Outros filmes que ganharam menções foram “O anão que virou gigante”, do carioca Marão e “Sala de Montagem”, de Umberto Martins, de São Paulo. “Demos preferência a criar premiações para tentar contemplar mais filmes, pois ficamos satisfeito com a diversidade e a qualidade do festival. Quebramos o protocolo. Avaliamos o conjunto como o roteiro, fotografia e direção. Um dos critérios de avaliação importante foi o contato e a expressão do público”, explicou jurado Emilio Domingo.

Dois curtas cariocas foram premiados pelo site Porta Curtas: “Depois das nove”, de Allan Ribeiro e “Animadores”, de Allan Sieber. Eles ganharam R$500, além da veiculação do filme disponível por um ano no site. Os cineclubes Mate com Angu, Buraco do Getúlio e Cine Santa Teresa foram homenageados. No entanto, o cineasta Xavier de Oliveira foi uma das maiores referências do evento e ganhou um troféu de reconhecimento. Durante o dia da premiação, foi exibido seu filme “Marcelo Zona Sul”, filmado na década de 70. A coordenadora do Iguacine Valquíria Ribeiro contou qual foi a principal intenção do Festival na cidade. “Queríamos formar plateia, pois são tipos de filmes que a população não tem acesso. Além disso, queríamos trazer coisas novas e acima de tudo, difundir a realização do cinema".

Interatividade:
Qual foi o destaque do Festival de Cinema, na sua opinião?

3 comentários:

  1. Não estava na Mostra Competitiva, mas o destaque pra mim foi "Um dia de Laura", exibido no primeiro dia do Iguacine.
    Apesar de já tê-lo assistido, quando fui entrevistar seus realizadores, não consegui deixar de me emocionar com o filme.

    ResponderExcluir
  2. Para mim em especial foi o documentário das Parteiras de Pankararu, mas precisamente pelo bonito debate em prol do Parto Natural!

    ResponderExcluir
  3. é difícil escolher um filme apenas, prefiro ficar com os conjuntos...
    a 1ª mostra (das crianças), a 5ª (sociedade) e a 6ª (indivíduos), me ganharam.

    ResponderExcluir